QUINTA-FEIRA, 15 DE NOVEMBRO DE 2018
DATA: 16/10/2018 | FONTE: Folha Press Doria tentou dar rasteira em Alckmin e ex-governador chorou, diz França

Vice de Geraldo Alckmin até o abril deste ano, o governador de São Paulo Márcio França (PSB) disse que não é herdeiro político do tucano no estado porque "o 45, que é o PSDB, é o partido do [seu adversário João] Doria".

Em entrevista nesta segunda (15) ao SPTV, da TV Globo, França criticou o ex-prefeito de São Paulo, seu adversário no segundo turno, que se aproximou de seguidores de Jair Bolsonaro (PSL) ainda no primeiro turno, quando Alckmin patinava nas intenções de voto à Presidência.

Segundo França, Alckmin chorou -mas não entrou em detalhes a esse respeito.

"Eu não sou [herdeiro político de Geraldo Alckmin] porque aqui em São Paulo, o 45, que é o PSDB, é o partido do Doria. Ele não quis, tentou o tempo todo dar uma rasteira no Alckmin, uma coisa absolutamente ruim. Isso não é didático", afirmou o pessebista.

 

"Hoje é dia dos professores, o professor não ensina seu aluno a fazer isso. Um pai não ensina um filho a fazer isso, a descumprir compromisso, a dar rasteira na pessoa que te ajudou, que te deu a mão. Eu vi o governador Alckmin chorar. Eu não me conformo com isso."

Em reunião da sigla no último dia 9, em um episódio atípico para seu perfil, Alckmin, presidente do partido, insinuou que João Doria é traidor. Doria cobrava uma autoavaliação do PSDB depois de derrotas em diferentes frentes na eleição, a começar pela de Alckmin na disputa presidencial.

França tem usado o momento para repetir que o seu adversário "não tem caráter".

15/11/2018 Bolsonaro anuncia Ernesto Araújo como ministro das Relações Exteriores
POLITICA
15/11/2018 Bolsonaro diz que dará asilo a médicos cubanos que pedirem
POLITICA
14/11/2018 Bolsonaro recua e manterá Trabalho com status de Ministério
POLITICA
14/11/2018 Defesa de Bolsonaro tem 3 dias para explicar inconsistência de contas
POLITICA
© JORNAL DO CONESUL | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS