SEGUNDA FEIRA, 24 DE SETEMBRO DE 2018
DATA: 06/07/2018 | FONTE: portal do ms Ministro do Trabalho afastado fica em silêncio e não fornece senha de celular à PF

Helton Yomura, ministro do Trabalho afastado do cargo por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF), ficou em silêncio na Polícia Federal (PF) e se recusou a informar a senha do celular funcional do ministério utilizado por ele alegando que o aparelho possui “informações e arquivos privados” e que também era utilizado para seus fins particulares. O ministro afastado compareceu à Superintendência da PF nesta manhã perante o delegado Leo Garrido de Salles, responsável pelas investigações da Operação Registro Espúrio.

Seguindo a orientação de sua defesa, formada pelos criminalistas Cesar Caputo, do escritório Nelson Willians Advogados Associados, e André Luiz Hespanhol Tavares, o ministro afastado afirmou que só iria se manifestar após ter acesso ao inteiro teor da investigação. Além de determinar o afastamento de Yomura, o ministro Luioz Edson Fachin, do STF, também mandou prender o chefe do gabinete do ministro afastado, Julio de Souza Bernardes, o chefe de gabinete do deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) Jonas Antunes Lima e o superintendente do Ministério no Rio de Janeiro, Adriano José Lima Bernardo. A PF também fez buscas no gabinete de Marquezelli na Câmara dos Deputados nesta manhã.

Além dos mandados expedidos pelo STF, após determinação do ministro Edson Fachin, também serão impostas medidas cautelares para a proibição dos investigados de frequentar o Ministério do Trabalho e de manter contato com os demais servidores da pasta, além da suspensão do exercício de suas funções.

As investigações da PF iniciaram a partir de ações controladas da Polícia Federal junto com um empresário que relatou aos investigadores a existência de um suposto esquema para favorecer o registro sindical em troca de propinas por meio de lobistas que atuavam perante o Ministério do Trabalho. Com o avanço das investigações, a PF apontou que a pasta era uma área de influência dividida entre o PTB e o Solidariedade, por meio do deputado Jovair Arantes (PTB-GO), do deputado Wilson Filho (PTB-PB) do ex-deputado Roberto Jefferson e sua filha Cristiane Brasil (PTB); e de Paulinho da Força (SD), que teriam influência nos processos de registro sindical e atuavam para favorecer ou prejudicar sindicatos em troca de dinheiro ou de apoio político.

Nas etapas anteriores a PF fez buscas nos gabinetes dos deputados federais Paulinho da Força (SDSP), Jovair Arantes (PTB-GO) e Wilson Filho (PTB-PB) foram alvo de busca e apreensão e também nas residências de Cristiane Brasil, que ficou proibida de frequentar o Ministério ou manter contato com os demais investigados.

Em nota, a defesa do ministro nega que que ele comentido "ato ilícito" e diz que irá tomar " todas as medidas jurídicas".

24/09/2018 Mesmo preso, Puccinelli pede voto para Delcídio do Amaral
POLITICA
24/09/2018 Candidatos se preparam para debate nesta segunda-feira na Capital
POLITICA
23/09/2018 Dias Toffoli assumirá Presidência da República na próxima semana
POLITICA
23/09/2018 Eleições: a partir de agora, candidatos só podem ser presos em flagrante
POLITICA
© JORNAL DO CONESUL | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS