QUARTA-FEIRA, 21 DE NOVEMBRO DE 2018
DATA: 05/07/2018 | FONTE: sul news Leishmaniose mata maquiador de 32 anos

O maquiador Josimar Pereira, de 32 anos, morreu na madrugada desta quarta-feira (4) após dois meses de luta contra a leishmaniose visceral. Ele estava internado no Hospital El Kadri. Em 2017, oito pessoas morreram vítimas da doença em Mato Grosso do Sul, duas delas em Campo Grande. Neste ano, o balanço ainda é finalizado com dados de junho, mas já contabiliza quatro óbitos.

Os sintomas da doença se iniciaram no começo de maio, segundo a reportagem apurou. Em seu perfil do Facebook, Josimar anunciou que dores e tosse já duravam três semanas. A internação veio logo após o diagnóstico da doença, no dia quatro de junho.

 

O tratamento teve início e o maquiador chegou a receber alta do CTI para o quarto, no último dia 25 de junho. O quadro piorou e, nesta madrugada, ele morreu. O velório acontece no Memorial Park.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, só em 2018 foram registrados 69 notificações da doença, 21 em janeiro, sete em fevereiro, nove em março, 19 em abril, 11 em maio e duas em junho. O boletim semestral municipal ainda é finalizado, mas de janeiro até agora contabiliza três mortes.

Conforme a Secretaria Estadual de Saúde, de 130 vítimas notificadas em 2017, oito morreram. O documento aponta que dois dos óbitos foram em Campo Grande. Neste ano, já são 34 casos notificados e três óbitos confirmados, em Campo Grande, Dourados e Três Lagoas. A Secretaria ressalta que ainda não foi notificada pela Sesau sobre a morte de Josimar e que o município tem o prazo de 60 dias.

Uma das mortes  ocorreu em Dourados. A morte ocorreu no dia quatro de fevereiro, mas foi confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde e pelo CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) no dia 1º de março.

A DOENÇA

Quando o assunto é leishmaniose, durante muito tempo os cães foram considerados vilões, por serem hospedeiros do mosquito transmissor da doença. Mas o grande influenciador no aumento ou diminuição dos casos da doença é, na verdade, o clima e suas mudanças.

Soa clichê, mas as duas únicas formas das pessoas conseguirem impedir a leishmaniose visceral humana é barrar a criação do mosquito ou cuidar para não ser picado, neste caso, com o uso de repelente. A doença não é transmitida pelo cachorro, mas pela fêmea de um flebotomíneo - o mosquito-palha. 

Ele tem características que o assemelha aos mosquitos comuns, mas suas larvas se desenvolvem no solo úmido e em matéria orgânica, ou seja, não precisa de reservatórios de água, como os mosquitos comuns. No Brasil apenas duas espécies têm importância em saúde pública:  restrito a Mato Grosso do Sul.Lutzomyia longipalpis, que pode ser encontrado em todo País; e Lutzomyia cruzi,

Nesta versão da doença, os órgãos internos são afetados. Os sintomas costumam se manifestar em torno de 4 a 8 meses depois da infecção, mas podem levar até 2 anos para sua aparição. Nos casos em que o paciente é imunocomprometido, alguns dias podem bastar. O tratamento clássico é feito com o medicamento Alopurinol.

Veja os sintomas:
- Descamação de pele
- Calombos no couro cabeludo
- Febre
- Esplenomegalia (Aumento do baço)
- Hepatomegalia (Aumento do fígado)
- Redução da imunidade
- Fraqueza
- Diarreia
- Sangramento na boca e intestinos
- Caquexia
- Leishmaniose visceral avançada pode causar caquexia.
- Palidez

 
18/11/2018 Hemosul realiza campanha de doação de sangue em Naviraí
SAUDE
17/11/2018 Receitas de medicamentos controlados passam a valer em todo o país em 90 dias
SAUDE
17/11/2018 Foto de carne estragada é compartilhada em rede social e agentes do Procon confirmam denúncia em MS
SAUDE
16/11/2018 Parkinson: cantar diminui estresse e melhora funções motoras
SAUDE
© JORNAL DO CONESUL | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS