TERA-FEIRA, 18 DE SETEMBRO DE 2018
DATA: 23/12/2017 | FONTE: Redação Fábio se posiciona contra reforma da Previdência, mas Marun retorna para votar projeto Para Fábio, o governo deve 'cobrar os devedores da previdência antes de mutilar os direitos adquiridos dos que contribuem'

Através das redes sociais, o deputado federal Fábio Trad (PSD) se posicionou de forma contrária ao projeto da reforma da Previdência. “Após estudos e análises a respeito do conteúdo proposto pelo governo federal a respeito da Reforma da Previdência, comunico ao povo de MS que sou contrário ao texto proposto pelo governo”, declarou.

Segundo Fábio, “o propalado déficit previdenciário esconde a crônica má gestão da previdência”; e “antes de penalizar os cidadãos contribuintes, há de se reavaliar as renúncias previdenciárias fruto da desoneração da contribuição previdenciária de vários setores da economia”.

O deputado ainda argumenta que é contrário à reforma porque “o governo deve extinguir a DRU sobre o orçamento da seguridade social”; e “65 anos de idade não me parece uma idade razoável para o brasileiro se aposentar com remuneração integral, uma vez que em várias regiões do país a expectativa de vida mal chega aos 65 anos”.

Fábio também destaca que “o governo deve cobrar os devedores da previdência antes de mutilar os direitos adquiridos dos que contribuem, hoje em torno de R$ 190 bilhões de reais”; e “combater a sonegação fiscal antes de violar direitos dos trabalhadores”. Porém, ele não deverá votar a proposta.

Pela manhã, durante agenda pública em Campo Grande, o secretário de Governo da Presidência da República, Carlos Marun (MDB), prometeu se descompatibilizar do cargo de ministro para garantir a aprovação do documento. Como Fábio é suplente, deverá ficar de fora do Congresso durante a votação. 

18/09/2018 Em MS, Meirelles diz que vai colocar satélite brasileiro para vigiar fronteiras
POLITICA
18/09/2018 Justiça Eleitoral já barrou 99 candidatos com base na Lei da Ficha Limpa
POLITICA
17/09/2018 Cármen Lúcia será relatora de investigação sobre Gleisi Hoffmann
POLITICA
17/09/2018 Em um mês, candidatos em MS gastaram mais de R$ 4 milhões
POLITICA
© JORNAL DO CONESUL | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS