SEXTA-FEIRA, 22 DE SETEMBRO DE 2017
DATA: 13/08/2017 | FONTE: FOLHAPRESS Na última prova da carreira, Bolt se lesiona e fica sem pódio em revezamento
O velocista, que fechou a participação da equipe, caribenha, sentiu uma lesão e nem sequer terminou a prova. (Foto: Divulgação)

Mega-astro do atletismo, Usain Bolt, 30, despediu-se do esporte no sábado (12) de maneira dramática e sem medalha no revezamento 4 x 100 m no Mundial de Londres.

O velocista, que fechou a participação da equipe, caribenha, sentiu uma lesão e nem sequer terminou a prova. Ele recebeu atendimento imediatamente após cair ao solo do estádio olímpico londrino.
Após terminada a prova, ele cruzou a linha de chegada com a ajuda dos companheiros de equipe (Omar McLeod, Yohan Blake e Julian Forte).

A Grã-Bretanha levou o ouro, seguida pelos Estados Unidos e pelo Japão.
Ao longo de sua carreira, Bolt colecionou sucesso inigualável na história das provas de velocidade do atletismo.

Despontou aos olhos do planeta no Mundial júnior de 2002, em Kingston, capital jamaicana, com um triunfo nos 200 m. No ano seguinte, bateu o recorde mundial júnior da distância e criou a expectativa de ser uma das atrações dos Jogos Olímpicos de Atenas-2004.

As lesões, porém, o tiraram de ação durante a Olimpíada e também afetaram seu desempenho nas temporadas seguintes (2005 e 2006).

O ano de 2007, contudo, foi o da sua redenção e abriu caminho para seu estrelado. No Mundial de Osaka, no Japão, já recuperado das contusões, ele faturou duas pratas: nos 200 m e no revezamento 4 x 100 m. Bolt não sabia, mas seria a última vez que ele perderia as duas distâncias pelos próximos dez anos.

O jamaicano solidificou de vez sua condição de astro maior do atletismo em 2008. Antes mesmo dos Jogos de Pequim, quebrou o recorde mundial dos 100 m em Nova York, com a marca de 9s72. Detalhe: era apenas a quarta vez que ele disputava a prova em nível internacional.

Na Olimpíada chinesa, bateu novamente a marca dos 100 m, repetiu a dose nos 200 m e encerrou sua campanha no revezamento 4 x 100 m. Saiu dos Jogos com três e deu o prenúncio de sua hegemonia.
Entre 2009 e 2016, quebrou novos recordes mundiais de suas provas, mas o grande feito foram suas medalhas.

Coube a Bolt ser o primeiro na história a vencer três vezes seguidas os 100 m e 200 m em Jogos Olímpicos (2008, 2012 e 2016). Em Campeonatos Mundiais, somou 11 medalhas de ouro. Até a edição de Londres, que termina neste domingo (13), perdeu somente uma prova -os 100 m no Mundial de Daegu, e porque queimou a largada.

Consolidou seu nome entre os maiores da história, e sua última performance nas pistas, neste sábado, foi uma despedida à sua altura.

22/09/2017 Mesmo com eliminação, Guedes agrada e deve seguir como titular no Santos
ESPORTE
22/09/2017 Dez anos após gol histórico, Betão se solidariza com fase do São Paulo
ESPORTE
21/09/2017 Grêmio elimina Botafogo em Porto Alegre e vai às semifinais da Libertadores
ESPORTE
21/09/2017 Levir critica cusparada de Bruno Henrique em jogador do Barcelona-EQU: “Imaturidade”
ESPORTE
© JORNAL DO CONESUL | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS